quinta-feira, 9 fevereiro, 2023

Uma conspiração contra povos do Brasil e da Bolívia

Foto: Reprodução

Redação Pátria Latina

VINTE PONTOS IDENTIFICANDO OCORRÊNCIAS
  1. Quem iniciou o contato com o bolsonarismo foi Branko Marincovic que, ao fugir da Bolívia, se estabeleceu no Brasil por 10 anos e iniciou o relacionamento principalmente com Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro.

  2. No final de 2018, a Cúpula Conservadora das Américas, da qual Marincovic participa, é instalada na cidade de Foz de Iguaçu, no Brasil, organizada por Eduardo Bolsonaro, que é apresentado como o “pior inimigo de Evo Morales”.

  3. Em maio de 2019, Fernando Camacho, Ernesto Araújo e a deputada conservadora Carla Zambelli se reúnem em Brasília.

  4. Em setembro de 2019, estes voltam a se encontrar em Brasília, a convite de Eduardo Bolsonaro, estando também presente Anelin Suarez, ativista política conservadora em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia).

  1. Em outubro de 2019, Eduardo Bolsonaro passa a focar no golpe, mantendo comunicação constante com Anelin Suarez, Marincovic e Camacho. Os vídeos do Facebook são feitos entre Eduardo e Anelin Suarez e de fonte segura tem-se a informação de que ele visita Santa Cruz de la Sierra.

  1. Durante o golpe, ele começa a fazer declarações pedindo respeito ao que a OEA propõe sobre um segundo turno e depois apoia a narrativa de fraude.

  1. Após o golpe há intensa relação com o governo de Añez, em 11 de novembro, dia em que o golpe se consolidou, estranhamente, o avião presidencial estava em Brasília.

  1. São registradas 25 viagens ao Brasil pelo avião presidencial durante o governo Añez, e ninguém sabe por ou para quê.

  1. Duas vezes Jair Bolsonaro declara que conhece Añez pessoalmente em suas lives no Facebook, quando ao contrário não houve visita oficial entre os dois.

  1. Camacho usa a mesma estratégia “religiosa” de Bolsonaro, toda a narrativa da Bíblia, de Deus e da religião contra a suposta corrente de esquerda. Houve conselho para Camacho.

  1. Jair Bolsonaro foi o primeiro presidente a reconhecer Jeanine Añez.

  1. Quatro governos de direita estiveram envolvidos: Bolsonaro, Macri, Piñera, Lazo. O substrato ideológico é Steve Bannon, conselheiro político de Trump, que tem relação próxima com Jair Bolsonaro e seu terceiro filho Eduardo.

  1. A questão das queimadas foi promovida pelo Brasil e empresários ligados ao agronegócio na Bolívia.

  1. Todos os ex-ministros de Añez partem para o Brasil após as eleições de 2020: Fernando López, Arturo Murillo, Branko Marincovic, Victor Hugo Zamora, María Elva Pinckert, o ex-presidente da YPFB Herlan Soliz, o ex-general de polícia Yuri Calderón. Ele dá asilo a todos, exceto Murillo, que viaja primeiro para o Panamá e depois para os EUA.

  1. Continua a haver forte relação entre Bolsonaro e Añez, um exemplo claro é a chegada da filha de Añez, Carolina, na semana anterior ao encontro com Michelle Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro e Jair Bolsonaro.

  1. Bolsonaro fala tanto em corrupção que está dando asilo a Fernando Lopez que, junto com Arturo Murillo, está sendo denunciado pela compra superfaturada com gás lacrimogêneo e de lavagem de dinheiro. Murillo já se declarou culpado nos Estados Unidos da América (EUA) e sua sentença será conhecida em um mês. Da mesma forma, quem comandou a área de hidrocarbonetos e tem graves denúncias de corrupção são Hugo Zamora e Herland Soliz.

  1. Bolsonaro fala tanto em democracia que está dando asilo a Fernando López, que tem acusação de tentativa de assassinato do atual presidente da Bolívia, Luis Arce Catacora.

  1. Fala tanto em preservar a vida e em Deus quando se vê dando asilo a Fernando López, acusado de comandar os massacres de 37 pessoas nas atrocidades em Sacaba e Senkatta, em 2019.

  2. O substrato ideológico dessa nova direita religiosa no mundo se baseia no cristianismo ultraconservador que reúne Trump, Bolsonaro, Viktor Orban (presidente da Hungria), o novo governo sueco, a nova primeira-ministra da Itália Giorgia Meloni, a extrema direita do pro- brexit do Reino Unido. São aqueles que, em termos filosóficos e teóricos, são chamados de tradicionalistas e que se opõem aos globalistas financeiros e aos chineses.

  3. O grande estrategista político de todos eles é Steve Bannon, que tem relação próxima com Eduardo Bolsonaro. Toda a estrutura de marketing político utilizada por Fernando Camacho vem dessa escola. Com substratos ideológicos de extrema direita, conservadores e cristãos, eles se opõem categoricamente à esquerda, aos homossexuais, ao aborto, ao culto dos valores tradicionais, afirmam que quem deve governar é uma elite caracterizada por suas origens raciais/étnicas.

CINCO PONTOS IDENTIFICANDO ATORES

 

  1. Branko Marinkovic

  2. Branko Marinkovic: “Bolivia es un país rico, pero en los últimos años estuvo frenado” | El Deber

Marinovic era o elo entre o bolsonarismo e os grupos de poder econômico em Santa Cruz. Após sua saída da Bolívia devido às acusações contra ele dentro do processo de terrorismo, viveu 10 anos no Brasil criando uma relação de amizade com Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro.

A família de Branko Marincovic é originária da ilha de Brac, na Croácia, migrando para a Bolívia por volta da década de 1950 e estabelecendo um negócio agrícola em Santa Cruz, conseguindo se tornar uma das famílias mais ricas e influentes daquele departamento.

A família Marincovic possui quase 40 milhões de acres de terra e tem uma grande participação no Banco Economico. Ele é produtor principalmente de soja e se opõe fortemente à distribuição da terra. Devemos levar em conta que em agosto de 2020 Jeanine Añez nomeia Branko Marincovic Ministro do Planejamento por um mês depois de nomeá-lo Ministro da Economia. Ele foi o arquiteto de solicitar o empréstimo de 330 milhões de dólares do FMI sem a autorização da Assembleia Legislativa. Ele era o homem forte do governo Añez porque foi o vínculo que tinha com o bolsonarismo, que ajudou a organizar o golpe.

No final de 2018, na cidade brasileira de Foz do Iguaçu, líderes políticos e empresários latino-americanos de direita se reúnem na Cúpula Conservadora das Américas, organizada pelo então deputado Eduardo Bolsonaro, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara dos Deputados. , que apresentou na época a Marinkovic como o pior inimigo de Evo Morales.

 

  1. Luis Fernando Camacho

Quem é Luis Fernando Camacho, o 'Bolsonaro boliviano' que despontou em meio à renúncia de Evo - BBC News Brasil

Em maio de 2019, Luis Fernando Camacho, na presidência do Comitê Cívico, solicitou ao então chanceler brasileiro Ernesto Araujo que consultasse a CIDH sobre a possibilidade de impedir a tentativa de Evo de conquistar um quarto mandato, por isso atende Araújo pela primeira vez. Camacho também se reúne no dia 2 de maio em Brasília com a deputada Carla Zambelli e novamente com Araujo como pode ser visto na fotografia.

Em setembro de 2019 Camacho foi novamente ao Brasil a pedido de Eduardo Bolsonaro para uma suposta audiência pública sobre o protocolo de adesão da Bolívia ao Mercosul, os quatro representantes bolivianos além de Camacho eram todos adversários, Primitivo Montano, líder indígena, Anelin Suarez e David Sejas López, ex-líder do sindicato juvenil Crucenista.

  1. Anelin Suarez

  2. Maria Anelin Suarez. (@Anelin84147296) / Twitter

É agente do sistema de inteligência israelense Mossad, de Santa Cruz, mas mora em Washington. Ela foi premiada com uma medalha do Estado Judeu como “ativista da paz”, ela tem extensas relações com Eduardo Bolsonaro como pode ser visto nos diferentes vídeos que eles divulgaram no Facebook

 

  1. Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro

Depoimentos de Eduardo no youtube antes do golpe: https://www.youtube.com/watch?v=_fZF6g4gR2g

Depoimentos de Eduardo Bolsonaro com Anelin Suarez após o golpe https://www.youtube.com/watch?v=NR0E_QkU1EI 

  1. Relação entre o Governo Bolsonaro e o Golpe

Uma questão que nunca foi esclarecida foi a chegada do avião presidencial boliviano em 11 de novembro de 2019 em Brasília, ou seja, o primeiro dia do golpe, que foi noticiado pela empresa americana de rastreamento de voos FlightAware e que foi reproduzido pela mídia argentina Página12. Essa mesma página norte-americana mostra que houve vários voos do avião presidencial para o Brasil, cerca de 25 no total. A questão é o avião presidencial que foi pegar? Dinheiro, armas, o próprio Marincovic?

AS REFERÊNCIAS

Reverenciado em evento de Eduardo Bolsonaro como “o maior inimigo de Evo Morales”, boliviano-croata ganhou status de refugiado pós-Temer e aparece 67 vezes no Panamá Papers – Sportlight

Branco Marincovic na Cúpula Conservadora das Américas realizado em fins de 2018

Chanceler brasileiro Ernesto Araujo, deputada brasilera Carla Zamballi e Luis Fernando Camacho. Maio 2019 Brasilia

Eduardo Bolsonaro na Cúpula Conservadora das Américas 2018

Eduardo Bolsonaro com Carolina Anez, outubro 2022

Eduardo Bolsonaro estreita relação com Trump

Eduardo Bolsonaro vai a aniversário de Bannon, ex-estrategista de Trump - 28/11/2018 - Mundo - Folha

Eduardo Bolsonaro e Steve Bannon (assessor principal da campana de Trump)

Show de calouros? Nos EUA, Eduardo Bolsonaro defende o muro de Trump - Oi Diário

FIQUE POR DENTRO