segunda-feira, 20 maio, 2024

Acordos de Paz de Paris: lições históricas sobre independência e autonomia

Nguyen Thi Binh, Ministro das Relações Exteriores do Governo Revolucionário Provisório da República do Vietnã do Sul, assinou o Ato da Conferência de Paris sobre o Vietnã em 2 de março de 1973 (Fonte: VNA).

A assinatura dos Acordos de Paz de Paris foi vista como uma vitória retumbante para a diplomacia revolucionária do Vietnã na era Ho Chi Minh, contribuiu muito para o triunfo de toda a nação e deixou valiosas lições diplomáticas sobre independência, autonomia e solidariedade internacional.

Segundo historiadores, as negociações de Paris sobre o Vietnã (1968-1973) constituíram uma luta extremamente difícil e complicada entre o Vietnã e os Estados Unidos. Finalmente, os Acordos de Paris sobre o fim da guerra e a restauração da paz no Vietnã foram assinados em 27 de janeiro de 1973.

A luta de resistência do povo vietnamita contra o imperialismo estadunidense, em geral, e as negociações da Conferência de Paris, em particular, ocorreram em um contexto histórico muito complicado, marcado pela formação e desenvolvimento cada vez mais forte do sistema de países. foi ativamente ajudado pelo movimento revolucionário mundial, incluindo os vietnamitas.

No entanto, no próprio seio dos países socialistas, havia diferentes visões, inclusive agudas contradições, sobre o caminho da construção do socialismo e da luta pela libertação nacional. Enquanto isso, o imperialista dos EUA, inimigo do povo vietnamita, possuía um potencial econômico e militar muito poderoso.

Aproveitando as lições da luta de resistência contra os colonialistas franceses, o Comitê Central do Partido dos Trabalhadores do Vietnã manteve o espírito de independência, autonomia e solidariedade internacional tanto na luta quanto nas negociações. Esses fatores são considerados os direcionamentos básicos de todo o processo de negociação da Conferência de Paris.

Olhando para trás, de 1965 até o final de 1966, os imperialistas dos EUA intensificaram a guerra de invasão no Vietnã e lançaram o argumento da “falsa paz”, exigindo assim que o governo da República Democrática do Vietnã negociasse.

Em janeiro de 1967, o 13º Plenário do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores do Vietnã decidiu criar uma nova frente diplomática para denunciar com mais força os crimes dos imperialistas norte-americanos e expor as artimanhas da “falsa paz”; defender a posição justa da revolução; obter o apoio e a ajuda dos países socialistas e dos povos progressistas do mundo, incluindo os Estados Unidos.

Na primavera de 1968, o exército e o povo vietnamitas lançaram uma ofensiva geral e um levante em todo o campo de batalha do sul, forçando o então governo do presidente dos Estados Unidos, Lyndon Baines Johnson, a reduzir a escalada da guerra e sentar-se à mesa de negociações no Conferência de Paris.

Em 13 de maio de 1968, iniciaram-se em Paris as negociações oficiais entre a delegação do Governo da República Democrática do Vietnã e a do Governo dos Estados Unidos, marcando uma nova fase da luta de resistência no Vietnã, desde o confronto no campo de batalha e, ao mesmo tempo, na frente diplomática, com o lema de lutar negociando.

O Vietnã manteve firmemente sua posição de exigir, primeiro, que os Estados Unidos encerrassem incondicionalmente o bombardeio e todas as outras atividades bélicas contra a República Democrática do Vietnã; e, em seguida, discutir as questões relevantes das duas partes. Por sua vez, o lado norte-americano propôs ao Norte retirar as suas tropas do Sul e deixar de enviar combatentes e mantimentos para aquela zona.


Diante da postura legítima e atitude resoluta do Vietnã, e devido a inúmeras dificuldades e perdas no campo de batalha, o movimento anti-guerra se espalhou para todas as esferas da vida do povo americano.

Em 1º de novembro de 1968, o presidente Johnson foi forçado a declarar o fim de todos os atos de guerra contra o Vietnã do Norte. Depois desse evento, a luta do Vietnã contra os Estados Unidos girou em torno da questão da forma e dos elementos da conferência; e posteriormente foi alcançado um acordo para organizar uma conferência quadripartida entre a República Democrática do Vietnã, a Frente Nacional para a Libertação do Vietnã do Sul (Governo Revolucionário Provisório da República do Vietnã do Sul), os Estados Unidos e a República do Vietnã (Governo de Saigon ).

O fato de tomar a iniciativa de adotar a postura de luta enquanto negociava foi realmente uma decisão criativa do PCV, que demonstrou a postura independente e a autonomia na adoção de diretrizes.

Em 1969, Richard Nixon foi eleito presidente dos Estados Unidos e propôs a estratégia de “vietnamização da guerra”. Consequentemente, as tropas expedicionárias e alguns países aliados retiraram-se gradualmente para o país de origem; que o exército da República do Vietnã ocupe o papel principal, mas sob a direção dos Estados Unidos por meio de um sistema de assessores militares; assistência financeira, armas técnicas e meios de guerra.


Em 25 de janeiro de 1969, foi realizada a primeira seção da Conferência Quadripartida sobre o Vietnã. Durante o processo de negociação, o lado vietnamita lutou em todos os aspectos da guerra, concentrando-se principalmente em duas questões importantes: exigir a retirada de todas as tropas americanas e aliadas do sul e respeito pelos direitos nacionais básicos e autodeterminação do povo de Vietnã do Sul. Essas demandas foram apoiadas por muitos governos ao redor do mundo.

A opinião pública mundial tinha a clara noção de que o lado vietnamita mostrava “boa vontade pela paz” e, nesse sentido, exigia que o governo dos Estados Unidos acabasse logo com a guerra de invasão do Vietnã. No âmbito da Conferência de Paris, o lado vietnamita frequentemente fazia discursos oficiais perspicazes em fóruns públicos para mobilizar o apoio público.


O Vietnã atribuiu grande importância à mobilização da imprensa. Durante quase cinco anos de negociações, no âmbito da Conferência de Paris, foram realizadas cerca de 500 conferências de imprensa, que foram consideradas pelo Vietname como oportunidades para denunciar a obstinação dos Estados Unidos e do governo de Saigon e, ao mesmo tempo, defender e realçar a justa posição e a boa vontade pela paz do país. Essas ações contribuíram ativamente para aumentar a solidariedade da frente mundial dos povos em apoio à revolução vietnamita e isolar fortemente os Estados Unidos – o governo de Saigon na arena internacional.

As grandes vitórias militares da revolução vietnamita no campo de batalha (Operação Rota 9 – Sul do Laos 1971 e Ofensiva Primavera-Verão de 1972, entre outras) causaram pesadas perdas ao inimigo, quebraram a estratégia estadunidense de “vietnamização da guerra” e criaram condições favoráveis ​​para o Vietnã na mesa de negociações.

Vendo-se incapaz de abalar a posição do Vietnã na mesa de negociações, Richard Nixon intensificou as ações militares nos campos de batalha. Em 14 de dezembro de 1972, Nixon aprovou um plano para lançar ataques aéreos estratégicos principalmente com aeronaves B-52 em Hanói e Hai Phong.


Com os ataques aéreos, os Estados Unidos buscavam alcançar a vitória militar, obter uma posição de destaque nas negociações da Conferência de Paris, obrigando o Governo da República Democrática do Vietnã a assinar um acordo para encerrar a guerra e destruir o potencial econômico do Vietnã do Norte, especialmente nas grandes cidades, para que não pudesse prestar assistência à luta de resistência no sul.

Por outro lado, os Estados Unidos tinham a intenção de propor mais tempo ao exército e ao governo de Saigon para fortalecer suas forças e causar pânico entre o povo vietnamita, ao mesmo tempo em que demonstravam ao mundo seu poderio militar e dissuadiam os países que lutam contra o imperialismo.

A Conferência de Paris (1968 – 1973) deixou para sempre uma marca indelével na história da nação vietnamita, em geral, e na diplomacia revolucionária vietnamita na era de Ho Chi Minh, em particular. Comemorar o 50º aniversário da assinatura dos Acordos de Paris (27 de janeiro de 1973 – 27 de janeiro de 2023) é lembrar a magnitude e o alto significado desse documento histórico especial.

Muitas lições foram aprendidas com as negociações históricas mencionadas; entre eles, o de fortalecer o espírito de independência e solidariedade internacional que ainda mantém seus profundos e intactos valores teóricos e práticos.

De 18 a 29 de dezembro de 1972, os Estados Unidos realizaram um ataque aéreo estratégico (principalmente com B-52s) em Hanói e Hai Phong. No entanto, essa tentativa foi um fracasso completo. As forças de defesa aérea do Vietnã do Norte abateram 81 aeronaves de todos os tipos (incluindo 34 B-52s), forçando os Estados Unidos e o governo de Saigon a assinar um acordo para encerrar a guerra (27 de janeiro de 1973). Consequentemente, os Estados Unidos e outros países se comprometeram a respeitar a independência, soberania, unidade e integridade territorial do Vietnã; retirar todas as tropas expedicionárias e de países aliados; destruir todas as bases militares dos EUA; não participar ou interferir em assuntos internos.

Tradução: Valter Xéu

O original em espanhol encontra-se em https://special.vietnamplus.vn/2023/01/18/acuerdos-de-paz-de-paris-lecciones-historicas-sobre-independencia-y-autonomia/

FIQUE POR DENTRO