sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Agente Laranja: O fantasma tóxico que assombra o solo do Vietnã, mais de meio século depois

Fotos: Reproduções da internet

Um legado de contaminação persistente: Agente Laranja mantém seu domínio no solo vietnamita

Da redação Vietnã Hoje*

Passaram-se mais de cinquenta anos desde que o agente laranja foi disseminado nos campos de batalha do Vietnã, porém, as cicatrizes ambientais e humanas causadas por esse herbicida mortal persistem. Na sombra dos conflitos, o agente laranja, um dos produtos químicos mais sinistros da guerra, continua a atormentar o solo vietnamita e a entrar sorrateiramente na cadeia alimentar.

A história começa nos anos 60, quando o Exército dos EUA desencadeou não apenas uma guerra contra o Viet Cong, mas também uma guerra contra a própria natureza. Com a estratégia de desmoralizar o inimigo e eliminar esconderijos, vastas áreas da selva vietnamita foram pulverizadas com herbicidas, sendo o agente laranja o mais proeminente. Esse desfolhante, composto pelos ácidos 2,4-Diclorofenoxiacético (2,4-D) e 2,4,5-Triclorofenoxiacético (2,4,5-T), continha uma dioxina mortal chamada TCDD, cujos efeitos tóxicos se estenderiam muito além do que se imaginava.

Estas 12 fotos mostram o legado devastador dos Estados Unidos no Vietnã -  MDig

Agente Laranja: muito foi feito para resolver o desastre no Vietname |  AbrilAbril

Estadão - Quarenta anos depois do fim da Guerra do Vietnã, crianças ainda  nascem com malformações devido aos ataques químicos com o 'agente laranja',  segundo a Cruz Vermelha Internacional. O assunto é

Mesmo após décadas de cessação das pulverizações, os resquícios tóxicos do agente laranja não desapareceram. Uma revisão de estudos recentes revelou que o solo vietnamita ainda abriga traços altamente tóxicos do herbicida. A dioxina TCDD, presente no agente laranja, adere ao solo, partículas argilosas e sedimentos de rios e lagos. Esses sedimentos contaminados são transportados pela água e gradualmente infiltram a cadeia alimentar, chegando até os seres humanos.

Seus impactos devastadores são sentidos até hoje. Milhões de litros do herbicida foram usados durante a Guerra do Vietnã, causando contaminação em até 20% das selvas do país e afetando enormes áreas de plantações de arroz. Além disso, as bases militares americanas cercadas por áreas desfolhadas criaram um perímetro de segurança, mas também contaminaram o solo circundante.

Essa tragédia não é apenas um assunto histórico, mas uma questão urgente e atual. Mesmo após anos de investigação, muitos aspectos dos efeitos do agente laranja permanecem pouco compreendidos. Enquanto os veteranos de guerra americanos têm um acompanhamento relativamente regular, a mesma atenção não é dada aos vietnamitas afetados. A persistência da dioxina TCDD no solo, que pode durar décadas, exige esforços contínuos para remediar a contaminação e garantir a segurança alimentar das populações locais.

O agente laranja é um lembrete sombrio dos horrores da guerra química e das consequências de longo prazo que ela pode infligir ao meio ambiente e à saúde humana. Enquanto a dioxina tóxica continua a se infiltrar nas águas, no solo e na vida das pessoas, o desafio persiste: encontrar soluções eficazes para limpar o solo e minimizar os efeitos devastadores dessa herança tóxica. O futuro do Vietnã e das regiões afetadas depende do enfrentamento corajoso e colaborativo desse legado ameaçador.

Dados reveladores

Mais de 80 bilhões de litros de herbicidas foram usados durante a Guerra do Vietnã.

Estima-se que até 20% das selvas vietnamitas foram pulverizadas com herbicidas.

Cerca de 10 milhões de hectares de arrozais foram atingidos pelos herbicidas.

A dioxina TCDD, altamente tóxica, estava presente no agente laranja e persiste no solo por décadas.

Várias bases aéreas americanas no Vietnã e Tailândia, onde aviões de pulverização operavam, continuam contaminadas.

A dioxina TCDD entra na cadeia alimentar, afetando a saúde dos vietnamitas e outros seres vivos.

A contaminação por agente laranja está associada a uma variedade de doenças e impactos na saúde humana.

 

*Com informações de varias publicações vietnamotas

FIQUE POR DENTRO