quarta-feira, 29 maio, 2024

Guerra dos semicondutores: empresas holandesas começam a investir no Vietnã para se afastar da China

© AFP 2023 / Nhac Nguyen

Sputnik – Os investimentos iniciais conhecidos não são grandes, mas sinalizam uma mudança para reduzir a dependência da China como centro de exportações em meio às crescentes tensões comerciais entre Pequim e o Ocidente.

Empresas e fornecedores holandeses de semicondutores estão planejando investimentos industriais no Vietnã, disseram autoridades de alto escalão nesta quinta-feira (2) durante uma missão empresarial a Hanói liderada pelo primeiro-ministro, Mark Rutte.
De acordo com a Reuters, cerca de uma dúzia das quase 30 empresas que acompanharam Rutte no evento eram representantes de empresas de chips ou fornecedoras de empresas de semicondutores.
Durante a visita, a BE Semiconductor Industries, fabricante holandesa de equipamentos de chips, anunciou que recebeu aprovação para fazer um investimento inicial de US$ 5 milhões (R$ 24,7 milhões) para alugar uma fábrica no sul do país.
Chip (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2023

Panorama internacional

Países Baixos apertam de novo restrições de exportação de chips avançados, China critica passo

Espera-se que o investimento da Besi cresça significativamente, com planos para construir a sua própria fábrica no Vietnã nos próximos quatro anos, disse à mídia o vice-presidente da empresa para operações globais, Henk Jan Poerink.
Poerink acrescentou que a Besi seria seguida por outras empresas holandesas para criar um “ecossistema” de semicondutores no Vietnã, acrescentando que pelo menos duas outras empresas da delegação planejavam investir.
Rutte afirmou ter certeza de que outras empresas e fornecedores holandeses de chips seguiriam o exemplo, observando o tamanho da delegação empresarial que o acompanhava: “É claramente evidente“, afirmou.
Chip eletrônico (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 09.03.2023

Panorama internacional

China pede que Países Baixos não cedam àqueles que ‘abusam de restrições’ na questão dos chips

Poerink disse que a estratégia da empresa implica depender menos da China, onde continua a crescer, mas apenas para servir o mercado chinês em expansão. O vice-presidente também declarou disse que planeja transferir algumas operações da China para o Vietnã, em linha com o que os clientes de Besi fizeram.

O Vietnã abriga a maior fábrica de montagem de chips da Intel e também é um importante centro de produção para as gigantes sul-coreanas Samsung e LG.

FIQUE POR DENTRO