sábado, 20 julho, 2024

Brasil pretende estreitar laços com o Vietnã, diz embaixador vietnamita

O embaixador vietnamita no Brasil, Bui Van Nghi, em entrevista à Agência de Notícias Vietnamita (Fonte: VNA)

Hanói (VNA) – O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, tem interesse em promover as relações com o Vietnã, disse o embaixador vietnamita no Brasil, Bui Van Nghi , em entrevista à Agência de Notícias Vietnamita (VNA).

Segundo o diplomata, este é um bom sinal para o Vietnã aproveitar as oportunidades para fortalecer as relações entre os dois países, ajudando a afirmar a sua posição e papel cada vez mais crescente na cena internacional.

Classificando 2023 como um ano especial nas relações bilaterais, com a visita oficial do primeiro-ministro vietnamita, Pham Minh Chinh, ao país sul-americano em setembro passado, Van Nghi observou que esta é a quinta visita ao Brasil de importantes líderes vietnamitas desde que os dois países estabeleceram relações diplomáticas. relações em 1989 e a primeira visita de alto nível em 16 anos.

Durante esta viagem, disse ele, as duas partes emitiram uma declaração conjunta na qual concordaram em medidas para promover a cooperação na política, diplomacia, defesa-segurança, comércio-investimento, ciência-tecnologia, cultura, turismo e intercâmbio popular, bem como defendendo a rápida elevação das relações binacionais ao nível de parceria estratégica.

Ambas as partes também reafirmaram o seu compromisso de se esforçarem para aumentar o comércio bilateral para 10 mil milhões de dólares em 2025 e 15 bilhões de dólares em 2030. Este valor atingiu cerca de 7 bilhões de dólares no ano passado, acima dos 6,7 mil milhões de dólares registados em 2022.

O Brasil continua mantendo sua posição de maior parceiro comercial do Vietnã na América Latina, fortalecendo assim as relações de cooperação com o Brasil em particular e com os países da região em geral, especialmente no Mercado Comum do Sul (MERCOSUL). na promoção do lançamento das negociações do Acordo de Livre Comércio (TLC) entre o Vietnã e este bloco, reiterou o diplomata.

O acordo impulsionará a cooperação económica, comercial e de investimento, proporcionando resultados práticos às empresas e aos povos do Vietnã e dos países membros do MERCOSUL, ao mesmo tempo que revigorará os laços económicos inter-regionais, indicou.

Para promover o desenvolvimento das relações entre os dois países em todos os canais, em 2024, ano que marca o 35º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre o Vietnã e o Brasil (8 de maio de 1989), os dois lados planejam intensificar o intercâmbio de delegações de alto nível em todos os níveis, cooperação entre ministérios, filiais e localidades entre as duas nações e atividades de intercâmbio entre seus povos.

O embaixador manifestou o desejo de que estas atividades tenham o acompanhamento e apoio de empresas dos dois países dos sectores da ciência – tecnologia, agricultura, transformação de produtos agrícolas, saúde e educação.

Este ano, o Brasil também é um dos dois países escolhidos pelo governo vietnamita para organizar o festival “Vietnam Day” com programas culturais e artísticos especiais, para valorizar a promoção da imagem da nação indochinesa, de seu povo e cultura, aos amigos. no Brasil e na região sul-americana.

Da mesma forma, está previsto que este ano seja realizada a Semana do Cinema Brasileiro no Vietnã e a Semana do Cinema Vietnamita no Brasil, além de exposições de pintura e fotografia.

Van Nghi também expressou a sua esperança na promoção de intercâmbios desportivos, culturais e artísticos e na cooperação turística entre os dois países num futuro próximo.

Quanto ao papel do Brasil no G20, segundo o diplomata, a nação sul-americana será a presidente da XIX Cúpula do Grupo, marcada para os dias 18 e 19 de novembro de 2024, na cidade do Rio de Janeiro.

Sob a administração do Presidente Lula da Silva, o Brasil implementou uma política externa aberta de multilateralismo e diversificação das relações externas, contribuindo para melhorar a posição e reputação do Brasil na arena internacional, regional e global, afirmou.

Com base na manutenção de boas relações com todos os países membros do G20, o Brasil fortalecerá a estreita coordenação para garantir a promoção da agenda relacionada aos temas e abordagens propostas.

Além disso, o Brasil pede maior representação dos países em desenvolvimento e emergentes no Conselho de Segurança das Nações Unidas, no Banco Mundial e no Fundo Monetário Internacional.

A primeira assunção do Brasil à presidência do G20 , aliada à presença de países como México e Argentina, também se torna uma oportunidade para aumentar a posição da América Latina no cenário internacional, reiterou.

FIQUE POR DENTRO