domingo, 21 abril, 2024

Realizações macroeconómicas do Vietnã reconhecidas em seminário internacional

Delegados no seminário (Fonte: VNA)

Vientiane (VNA) – O progresso macroeconómico do Vietnã foi aplaudido durante um seminário temático realizado à margem de uma série de reuniões de governadores de bancos centrais e ministros das finanças da ASEAN que tiveram lugar no Laos .

No evento, subordinado ao tema “Aproveitar oportunidades para o desenvolvimento num contexto global volátil”, os delegados também reconheceram as contribuições do Vietname para tornar a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) um ponto brilhante tanto para a região como para o mundo.

Esta é uma atividade co-organizada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Estatal do Laos na província de Luang Prabang.

Falando no colóquio, Nguyen Thi Hong, governador do Banco Estatal do Vietname, apresentou os resultados positivos do modelo de reestruturação económica do Vietname nos últimos anos, desde a agricultura à indústria e serviços.

Durante este processo, a gestão das políticas monetárias e de crédito pelo Banco do Estado contribuiu activamente para a estabilidade macroeconômica, criando uma base sólida para o desenvolvimento sustentável e promovendo a industrialização, destacou.

Além disso, o sector bancário do Vietname também está a impulsionar a transformação digital nacional; implementa proativamente ações práticas em resposta às alterações climáticas; e ocupa um lugar de destaque em relação aos países asiáticos na implementação de uma série de conteúdos importantes do Acordo de Paris, acrescentou.

No evento, os participantes discutiram as tendências de desenvolvimento a longo prazo no mundo e as medidas que visam o crescimento econômico.

De acordo com o FMI, em contraste com o abrandamento previsto para a economia global e o risco de recessão, a região Ásia-Pacífico continua a manter uma perspectiva forte e deverá contribuir com cerca de dois terços do crescimento económico global em 2024.

Em particular, a ASEAN, um modelo típico de integração económica e cooperação, está a tornar-se cada vez mais uma região económica dinâmica que poderá contribuir com até 10% do PIB global este ano./

FIQUE POR DENTRO