sexta-feira, 27 janeiro, 2023

Economias da ASEAN crescerão 4,9% em 2022

Foto ilustrativa (Fonte: AFP/VNA)

As economias da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) crescerão 4,9% este ano e 5,2% em 2023, no contexto de maior cobertura vacinal, segundo um breve relatório de integração econômica do bloco (AEIB).

Hanói (VNA) – As economias da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) vão crescer 4,9 por cento este ano e 5,2 por cento em 2023, num contexto de maior cobertura vacinal, segundo um breve relatório da integração económica do bloco (AEIB ).

A implementação efetiva dos programas de vacinação permite que os países membros da ASEAN reabrem suas portas, promovam atividades econômicas e apoiem a recuperação do mercado de trabalho. De acordo com o Departamento de Vigilância de Integração da ASEAN, a taxa de inoculação do COVID-19 atingiu 65,9% da população.

O relatório da AEIB avalia que os países do Sudeste Asiático abrirão totalmente suas portas no segundo semestre de 2022. O otimismo permanece em 2022, enquanto a taxa de produção continua crescendo apesar dos riscos de variantes do vírus SARS-CoV. 2 e o aumento repentino dos preços de janeiro a junho.

De acordo com este documento, as economias regionais registaram um aumento de 3,0 por cento em 2021, face a uma redução de 3,2 por cento em 2020, graças ao aumento do consumo e do comércio.

A taxa de desemprego, após um pico durante o período de pandemia, caiu em 2021, enquanto o comércio cresceu 25,1%, para US$ 3,34 trilhões. Os investimentos aumentaram 42,3 por cento para 174,1 bilhões de dólares, principalmente nos setores de manufatura, serviços financeiros e seguros, informação e comunicação.

No entanto, o conflito no Leste Europeu dificulta a recuperação econômica global e regional, devido à interrupção das cadeias de valor que provocam oscilações de preços, principalmente de energia e produtos alimentícios.

Atualmente, a maioria dos países membros da ASEAN viu suas taxas de câmbio caírem em relação ao dólar dos EUA, especialmente desde que o Federal Reserve dos EUA (Fed) aumentou as taxas de juros em março de 2022. Embora as condições econômicas e financeiras permaneçam gerenciáveis ​​no primeiro semestre de 2022, algumas membros têm políticas mais rígidas.

Nesse contexto, os bancos centrais devem estar vigilantes e trabalhar juntos para criar resiliência a choques futuros, incluindo vulnerabilidade financeira dentro e fora da região.

FIQUE POR DENTRO