terça-feira, 31 janeiro, 2023

Vietnã diversificará fontes de financiamento para crescimento verde

Hanói (Prensa Latina) O Vietnã precisa hoje diversificar as fontes de financiamento para garantir o crescimento verde no período 2021-2030 e atingir a meta de neutralizar completamente as emissões de carbono até 2050.

Para além do orçamento do Estado ou da implementação de políticas preferenciais, o país vai apostar na promoção de fontes de empréstimos comerciais e de investimento para o setor privado, antecipou o governador do Banco do Estado do Vietnã (BEV), Nguyen Thi Hong.

De acordo com a direção, esta instituição financeira será também projetada para o fluxo de capital de crédito e projetos amigos do ambiente, nomeadamente nas indústrias de serviços e consumo verde, energias limpas e renováveis, bem como produção e consumo de baixo carbono.

Em 30 de junho, de acordo com a agência de notícias VNA, o saldo de crédito do Vietnã para projetos verdes ultrapassou 20,3 milhões de dólares, um aumento de 7,08% ano a ano.

Por outro lado, o vice-diretor do Departamento de Eletricidade e Energias Renováveis do Ministério da Indústria e Comércio, Nguyen Tuan Anh, lembrou que, conforme previsto, o país deve reduzir a proporção de energia a carvão em 25,7 por cento até 2030 e 9,7 por cento em 2045.

O Vietnã está entre os 38 mercados com progresso significativo nos esforços para promover o setor bancário e financeiro em direção ao desenvolvimento sustentável e tem uma classificação alta em relação a outras nações para políticas relacionadas a Contribuições Nacionalmente Determinadas.

Em conferência realizada em meados deste mês, a presidente do Grupo de Trabalho Bancário, Michele Wee, enfatizou que para atingir os objetivos do crescimento verde, o financiamento é considerado um fator chave e decisivo, e a participação do setor privado é necessário.

Conforme afirmou então o vice-ministro de Planejamento e Investimento Nguyen Thi Bich Ngoc, a necessidade de capital do Vietnã para atingir as metas mencionadas até 2030 é de 360 bilhões de dólares, dos quais o capital privado representa 50%.

FIQUE POR DENTRO