quarta-feira, 29 maio, 2024

Vietnã alerta sobre proliferação e danos de cigarros eletrônicos

Hanói (Prensa Latina) O Ministério da Saúde vietnamita pediu hoje para fortalecer a comunicação sobre os efeitos nocivos dos cigarros eletrônicos, cuja importação, venda e circulação no mercado interno não são permitidas.

Numa comunicação dirigida às respetivas localidades e ministérios, a pasta da saúde sugeriu o reforço da fiscalização e sanção nos casos de aquisição, venda e publicidade, tanto destes como dos chamados tabaco aquecido e sisha (narguilés).

Atualmente, sublinhou a mensagem, não é permitida a importação, comercialização e circulação destes produtos no mercado nacional, no entanto, a sua venda e publicidade é feita de forma popular, sobretudo em ambiente de Internet.

Ele destacou ainda que, por seus diversos designs e sabores, os cigarros eletrônicos são muito atrativos para os jovens, o que favorece o rápido aumento de seu uso no país, principalmente no ambiente escolar.

Segundo uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde, a taxa de uso desse tipo de produto entre os jovens vietnamitas de 13 a 15 anos foi de 2,6% em 2022.

A própria entidade alertou que cerca de 20.000 tipos de aromatizantes são usados ​​atualmente em produtos de cigarro eletrônico, muitos dos quais são tóxicos e seus níveis de nocividade à saúde não foram exaustivamente avaliados.

Além de conterem nicotina, que vicia e causa doenças cardiovasculares, respiratórias e digestivas, trazem em sua composição glicerina e propilenoglicol, dois componentes que ao serem aquecidos e vaporizados podem formar óxido de propileno, uma substância cancerígena.

FIQUE POR DENTRO